Fernando Correia

Crónica

Fernando Correia

OS VÂNDALOS DA HISTÓRIA

Andou o Padre António Vieira pelo Brasil a pregar aos peixes, defendendo os índios e lutando contra a escravatura, para ser vandalizado por quem não sabe “História” e transforma as palavras de pedra em arma insultuosa de arremesso.

Andou o Padre António Vieira a pregar, por D. João IV e pelo reino português, contra a inquisição e não lhe bastou ser preso como agora insultado na sua morada esfíngica.

Andou o Padre António Vieira a consumir a alma pela justiça dos homens, pondo em causa a justiça de Deus, para lhe agradecerem com as cores do demónio pintadas no rosto.

Andou o Padre António Vieira a lutar contra os comerciantes de carne humana pelo imenso Brasil, para ser agora escorraçado e pela calada da noite afastado das páginas de gratidão e reconhecimento da história universal.

Andou o Padre António Vieira a semear a sua palavra, em sermões de fé e esperança, para nos dias de hoje, ditos de civilização avançada, fazerem chover granizo para evitar uma boa colheita.

Ando eu, como Santo António, de menino ao colo, à espera que este povo, abençoado pelo quinto império de Pessoa, olhe para dentro de si e resgate do passado quem merece.

A verdade, por vezes, transforma – se em mentira. A mentira repetida transforma – se em verdade para quem a deseja. A história escrita, contada e perpetuada em memórias de pedra e bronze, jamais pode ser apagada, mesmo que não se goste dela.

E o Padre António Vieira merecia que se soubesse da sua luta interior contra as almas penadas do comércio fácil da carne humana, essas sim, a valerem a revolta dos que nobremente lutam pela igualdade, pela fraternidade e pelo amor entre os povos.

FERNANDO CORREIA
(Jornalista e Autor)